15/03/11

Podemos passar ao lado da Primavera?

A história, atravessada pelo dinamismo do Reino de Deus, não se reduz a um monte de implacáveis cinzas. Estamos, sim, prometidos à Primavera

Com o tempo da Quaresma começa para os cristãos o acordar da Primavera. Na natureza já não se conseguem esconder os sinais da sua presença: das árvores de grande porte à mais singela flor tudo parece despertar da penumbra do inverno. Sentimo-nos como naquela passagem da Carta aos Hebreus, que diz: «estamos envolvidos por uma nuvem de testemunhas». De facto, o grande alvoroço de vida com que a criação, a nosso lado, se reveste, constitui um desafio que vai directo ao interior de nós. Podemos passar ao lado da Primavera sem reflorir?

A chave do nosso florescimento é Cristo. É Ele que permite ao Homem, sendo velho, nascer de novo. De junto do Pai, Ele envia-nos o Espírito que nos conduz à verdade plena. O Espírito desmonta o nosso fatalismo em relação a nós e à história, desarmando as declarações que fazemos sobre o que é impossível. Talvez achemos que não nos é possível renascer. Talvez nos pareçam impossíveis as transformações essenciais: as que nos conduzem ao perdão e ao dom, à gratuidade do amor e do serviço, ao mistério da prece e da esperança. E, contudo, o Espírito Daquele que morreu numa cruz e ressuscitou não deixa de proclamar o contrário. O Homem não está condenado ao peso da sua sombra ou a um crepúsculo de cinismo e desistência. A história, atravessada pelo dinamismo do Reino de Deus, não se reduz a um monte de implacáveis cinzas. Estamos, sim, prometidos à Primavera.

O tempo da Quaresma é um grande momento de profissão de Fé e, simultaneamente, um tempo muito prático. Às portas das nossas Igrejas poderíamos colocar uma tabuleta: «Obras em curso». A Quaresma é um estaleiro. Nesse sentido, a tradição cristã oferece-nos três meios, de extraordinária simplicidade, mas de consistente verdade. Primeiro a oração: somos chamados a rezar, isto é, a expormo-nos a Deus sem máscaras, em atitude de acolhimento e de escuta. Depois, somos chamados ao jejum. O nosso eu facilmente se torna tirânico nas suas reivindicações, rapidamente soçobra sequestrado por uma cultura que estimula falsas necessidades e apetites, frequentemente se acha mais do lado dos direitos que dos deveres. O jejum, através de gestos concretos de renúncia, contraria esta lógica e devolve-nos um salutar sentido crítico em relação ao que estamos a ser e àquilo de que nos alimentamos. Por fim, a esmola é a expressão do dom de nós mesmos, se quisermos ser discípulos Daquele que se deu até ao fim.

José Tolentino Mendonça


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial