06/07/10

«Também vos quereis ir embora?» (João 6,60)

Sabe-se como se lança um rastilho como meia notícia que a pressa dos media engole de imediato e joga para o papel ou para a informação em linha, ou mesmo nas redes sociais para ser o primeiro a anunciar

Não estão fáceis os tempos para a Igreja. Todos os dias vão surgindo novas notícias de escândalos, processos, condenações, abusos. Caem precipitadamente nas agências e são por vezes claras, directas, apesar de desagradáveis para os católicos. Outras são falsas embrulhadas em meias verdades e com uma interpretação claramente enviesada, sempre com o dedo condenatório para membros do clero em diversos graus de responsabilidade na condução da Igreja a nível local ou universal. Nada nos espanta: nem os factos, nem a maneira como são descritos, distorcidos, dramatizados, sendo, quantas vezes, opinião antes de serem acontecimento. Isto não se passa apenas com a Igreja, mas com todos que estão alguns centímetros acima da grande multidão anónima e que, por via da visibilidade, colocados em cadafalso de julgamento e forca. Que um dia possivelmente foi trono de glória e ovação do mesmo povo anónimo e aparentemente inocente.

Mas há dados que permitem, no que diz respeito à Igreja, objectivar causas e intenções. Sabe-se como se lança um rastilho como meia notícia que a pressa dos media engole de imediato e joga para o papel ou para a informação em linha, ou mesmo nas redes sociais para ser o primeiro a anunciar. Quantas vezes a primeira-mão é a primeira mentira. Sabe-se de forças, movimentos, associações, secretas ou não, que cozinham nas suas caves de mistério materiais informativos para que na linha final todos aceitem o que sempre estes senhores quiseram dizer: que a especialidade da Igreja é ser hipócrita, hábil em absolver os seus próprios pecados mas implacável com os que se atrevem a enfrentá-la como se fora uma permanente inquisição sem tréguas nem remorsos.

A Igreja não pode converter a sua pregação em constantes desmentidos sobre quanto dela se diz. Tem reconhecido os erros dos seus membros. Tem tido a coragem – rara nos tempos de hoje – de pedir perdão. Sabe que a sua missão é ser impoluta na moral, e transparente nas suas acções em qualquer área que se cruze com a sociedade civil.

Vivemos um momento complexo: aceitando a verdade dos nossos pecados e dos nossos silêncios, corrigindo os erros da nossa comunicação, agradecendo os homens e mulheres que se mantêm firmes como sinais vivos de Cristo, aceitando com humildade as críticas justas que nos são feitas, e acreditando cada vez mais que “as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja”. Apesar de os pecados serem duma minoria, aceitamos vestir-nos de saco e cinza, de coração penitente pela família católica manchada com crimes execráveis de alguns. Mas sabemos separar o trigo do joio, distinguir a parte do todo e dizer que a Igreja, mesmo pecadora, continua una e santa. E que “não nos queremos ir embora”.

António Rego

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial